O Ministério das Relações Exteriores do Brasil confirmou a morte do brasileiro André Luís Hack Bahi, socorrista de 43 anos que combatia ao lado das tropas ucranianas na região do Donbas, epicentro do conflito nas últimas semanas.

Gaúcho de Porto Alegre, André Bahi é o primeiro brasileiro morto no conflito iniciado com a invasão da Ucrânia pela Rússia, em 24 de fevereiro.

André Bahi morreu em confronto com tropas russas em Severodonetsk, cidade que é o último bastião da resistência ucraniana em Luhansk.

Bahi integrava a Legião Internacional de Defesa Territorial da Ucrânia. Ele morava no Ceará e se separou de sua esposa antes de ir para a Europa. O corpo deve ser cremado e, as cinzas, jogadas em Quixadá (CE), onde residia.

O brasileiro foi para a Europa em fevereiro, após passar por Portugal e França. Pai de quatro filhos, ele serviu no Exército e trabalhou como socorrista em Porto Alegre. Anteriormente, teria participado de uma missão militar na Costa do Marfim, onde ficou ferido e foi tratado por forças francesas.

Um amigo de André Bahi, que também estava na Ucrânia, contou aos familiares que o brasileiro teria socorrido duas pessoas e, depois, se dirigido em direção ao fogo cruzado durante uma missão em uma área bombardeada. Contudo, após o ocorrido, os demais combatentes não teriam mais presenciado o socorrista.

Embaixada do Brasil em Kiev e familiares confirmaram morte de brasileiro

A confirmação da morte do brasileiro chegou nesta quinta-feira (9), por meio da Embaixada do Brasil em Kiev. A irmã dele, Letícia Hack Bahi, que mora em Porto Alegre, também confirmou.

O Itamaraty já havia informado na segunda-feira (6) que a Embaixada em Kiev apurava os relatos de que um brasileiro teria morrido em conflito em território ucraniano, mas não havia confirmado a morte.

Amigos e combatentes que atuaram no front da guerra com André têm publicado a notícia de sua morte nas redes sociais.

Na quarta-feira (8), o soldado brasileiro André Kirvaitis fez uma homenagem ao seu colega brasileiro, onde publicou um vídeo no Instagram.

“Mais um soldado ânimo, que como outros deu a vida em combate pela liberdade e pela paz, eu não vou deixar seu nome ser esquecido, obrigado por tudo irmão, você está na verdadeira vida agora, a terra é uma breve passagem perto da eternidade, você cumpriu sua missão com honra”, diz o texto.

Tanto o perfil de Kirvaitis como o de Bahi no Instagram divulgam um link da Legião Internacional de Defesa Territorial da Ucrânia, para a qual os brasileiros dizem ter se voluntariado.

O site, lançado pelo governo ucraniano em março, dá instruções a estrangeiros de pelo menos 60 países de como se voluntariar. Na aba dedicada ao Brasil, as instruções levam ao site e às informações de contato da Embaixada da Ucrânia.

Confira a íntegra da nota do Itamaraty:

“O Ministério das Relações Exteriores recebeu, por meio da Embaixada do Brasil em Kiev, confirmação do falecimento de nacional brasileiro em território ucraniano em decorrência do conflito naquele país e mantém contato com familiares para prestar-lhes toda a assistência cabível, em conformidade com os tratados internacionais vigentes e com a legislação local.

Assim como tem feito desde o começo do conflito, o Itamaraty continua a desaconselhar enfaticamente deslocamentos de brasileiros à Ucrânia, enquanto não houver condições de segurança suficientes no país.

Ressalte-se que, em observância ao direito à privacidade e ao disposto na Lei de Acesso à Informação e no decreto 7.724/2012, mais informações poderão ser repassadas somente mediante autorização dos envolvidos ou de seus familiares diretos. Assim, o MRE não poderá fornecer dados específicos sobre casos individuais de assistência a cidadãos brasileiros.”

Via O Tempo

Shark News by Shark Themes