Um dia triste para São José da Barra, nesta quarta-feira (09), onde a cidade foi tomada por queimadas.

Diversos pontos estiveram em chamas, e ações são realizadas para combater e evitar tragédias maiores.

Animais mortos, vegetação totalmente queimadas, população respirando fumaça.

Neste segundo semestre do ano, período de estiagem na região, o clima seco contribui para a propagação do fogo, aumentando o número de queimadas em todo o estado de Minas Gerais. A Polícia Militar alerta: provocar queimadas é crime e pode gerar pena de até 4 anos de reclusão e multa.

De acordo com o artigo 54 da Lei de Crimes Ambientais, nº 9.605 de 1998, a prática é criminosa por poluir na forma de fumaça, além de causar riscos de incêndio para habitações, destruir a vegetação e poder causar a morte de animais. A penalidade é válida tanto para grandes queimadas para desmatamento quanto para pequenos atos como atear fogo em lixo doméstico ou em folhas no quintal.

A lei protege não apenas a natureza, mas também assegura qualidade de vida para as pessoas e animais. Um pequeno foco de calor pode se tornar uma queimada maior neste período de seca. Nos últimos anos, se tornou frequente acordar com fumaça em São José da Barra. Os hospitais da região ficam repletos de pessoas com problemas respiratórios, aeroportos são fechados, animais morrem. É um problema que afeta toda a população.

A pena para o crime varia de reclusão de um a quatro anos, além de multas. É importante destacar que apesar de cultural, o fogo é danoso. O Estado de Minas Gerais sofre com esta questão das fumaças e há uma possibilidade de ter um verão bem intenso neste ano, por isso é necessário que toda a população se mobilize em prol desta causa para reduzirmos a incidência das queimadas e dos focos de calor.

 

Shark News by Shark Themes